Em outro ritmo

por jun 7, 2020Reflexões0 Comentários


Tenho me aproximado do lugar de iniciante, me sinto retrogradando como os planetas. As brumas me alcançaram e vejo poucos metros à frente, um reflexo do meu estado mental. A rotina pesa e as mensagens não param de chegar. Na verdade, o volume aumentou. Quando foi que falar tanto se tornou um hábito? Quero ficar quieta, retrogradar exige muita energia, por isso saboreio o silêncio o máximo que posso. 

Não quero parecer amarga, é que vivo em outro ritmo. Meu corpo não dá conta de mudanças tão rápidas. Me perco nas demandas externas tentando dar conta do chamado de dentro. Desacelerei para alcançar o compasso da natureza. Desligo o celular porque preciso que meu tempo não escorra tela adentro.

O barulho lá fora é constante, em frente ao computador perco a linha de raciocínio repetidamente e me esforço para continuar. Eles não entendem e me cansam mais. É, estou cansada, mas não consigo dormir bem porque os pensamentos voltaram a se encadear freneticamente. Sonho muito e quase não produzo, porque as ideias ficam dançando ao meu redor.

Decido aceitar o convite dessa valsa. Me balanço ao gosto da natureza, contraindo e expandindo. Se é hora de recolher, que assim seja. Tomo sol esticada no piso dos fundos de casa, faço atividade física e medito. Tento não me culpar e vejo que estou ficando cada vez melhor nisso.

Descompliquei o que pude e opero com o básico. Na parte criativa, as ideias chegam, mas não encontram materialização e ficam esperando no canto da mente. A produção artística se limita a monocromáticos ou com pouca cor e colagens simples. Para momentos de decisão ou paranoia, recorro aos quatro compromissos de Don Miguel Ruiz e a minha palavra do ano.

Deixar-se
levar ao invés de lutar contra. Para mim, isso é coragem e humildade. Se
entregar ao não saber, estar atenta e disposta a aprender com o que vier. E
caminhar, mesmo entre as brumas.

“Caminhante,
não há caminho, o caminho se faz ao caminhar.”

Antonio Machado


Fotos: Joshua Hoehne e Francesco Ungaro

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *